Na Mídia

Nobel de química alerta para um dos mais graves problemas da medicina moderna

Nobel de química alerta para um dos mais graves problemas da medicina moderna

Em seminário on-line promovido pela Aciesp, a cientista do Instituto Weizmann de Ciências e Nobel de Química, Ada Yonath, conta como o estudo do ribossomo – a fábrica de proteínas das células – pode ajudar a combater a resistência bacteriana a antibióticos. Segundo Ada, esse é um dos problemas mais graves da medicina moderna. Afirma ainda que, caso nada seja feito para mudar o rumo da medicina, deveremos em breve regredir à era pré-antibióticos, quando doenças causadas por parasitas e infecções como pneumonia eram quase impossíveis de serem tratadas. Leia na íntegra, a matéria da Karina Toledo para Agência FAPESP.

FONTE: FAPESP

ponte antiga para o Templo de Jerusalém

Mistério Resolvido: Quem construiu a ponte antiga para o Templo de Jerusalém?

A matéria do Ariel David (em inglês) traz revelações surpreendentes publicadas por pesquisadores do Instituto Weizmann, entre elas a Profa. Boaretto. “Os especialistas concluem que a estrutura foi iniciada por Herodes o Grande e concluída ou pelo menos reformada por governadores romanos, possivelmente até mesmo o infame Pôncio Pilatos”

FONTE: Haaretz

younger-forest-1257961

Maiores e mais antigas árvores do mundo estão morrendo, deixando as florestas mais jovens

A primeira vez que Israel analisou a mortalidade das árvores no país, constatou que diversos trechos estão desaparecendo. No início deste mês, Tamir Klein, do Instituto Weizmann de Ciências se encontrou com o responsável pelos recursos florestais de Israel para discutir sobre as florestas do sul do país, que podem não sobreviver até o fim do século. “Eles me contataram e perguntaram: ‘o que devemos fazer?

FONTE: National Geographic Brasil

vacina-isralense

Uma vacina israelense e abrangente para influenza

A edição em inglês do jornal Haaretz publicou esta semana um excelente artigo sobre  a vacina universal para influenza,  pesquisa da  Prof. Ruth Arnon, cientista do Weizmann e ex-presidente da Academia de Ciências e Humanidades de Israel. A vacina está agora em ensaios clínicos finais (fase 3). Se funcionar, poderia substituir a vacina de gripe dada a cada ano, assim que aprovada pelas autoridades reguladoras. Destaque para a interessante  entrevista da jornalista Anat Georgi. “Todos hoje estão preocupados com o coronavírus e o crescente número de mortes, mas todos os anos centenas de milhares de pessoas em todo o mundo morrem de gripe – às vezes até 650.000 em todo o mundo. Ninguém se relaciona com esses números porque nos acostumamos com eles. Uma vacina universal como a que desenvolvemos prevenirá muitas doenças, incluindo a gripe aviária e suína, que pode ressurgir sem qualquer aviso.”, responde Prof. Ruth Arnon

FONTE: Haaretz