Biologia celular

Melanoma: importante avanço para reconhecer os pacientes que respondem melhor à imunoterapia

Melanoma: importante avanço para reconhecer os pacientes que respondem melhor à imunoterapia.

Graças aos novos tratamentos de imunoterapia, as mortes por melanoma caíram bastante nos últimos anos. Porém, muitos pacientes não respondem à terapia e a Profa. Yardena Samuels do departamento de Biologia Celular Molecular do Instituto Weizmann de Ciencias queria saber o por quê.

A sua nova pesquisa mostrou que os tumores menos propensos a ser afetados pelo sistema imunológico, o que reduz a chance de que a imunoterapia seja eficaz, são aqueles com células que se diferenciaram em subtipos mais diversificados. “Descobrimos que para prever o sucesso da imunoterapia, é melhor testar o número de subtipos de células e seu lugar na árvore filogenética do que a carga de mutações “, diz a Profa. Samuels. “Analisamos também dados dos pacientes com melanoma submetidos à imunoterapia, e encontramos uma alta correlação entre esses fatores e o sucesso do tratamento. Pretendemos usar este sistema experimental que criamos para trabalhar no desenvolvimento de protocolos personalizados aplicáveis para pacientes oncológicos. ”

Os resultados desta pesquisa, foram publicados na revista Cell, e aponta também novos caminhos para a pesquisa de vacinas contra o câncer. A investigação foi realizada em animais pelos Dr. Yochai Wolf e DR. Osnat Bartok  do Laboratorio da Profa. Samuels e participaram também cientistas dos Departamentos de Imunologia e do Centro Nacional para a Medicina Personalizada Nancy and Stephen Grand, do Instituto Weizmann de Ciências,   da Escola de Medicina Hadassah da Universidade Hebraica, do Technion, do Instituto Nacional do Câncer dos EUA e as universidades de Cambridge e  de Londres (UK).

A Profa. Samuels é diretora do Weizmann–Brasil Tumor Bank.

 

Saiba mais:

Cancer Protocols: A New Approach to Predicting Treatment Outcomes

Banco de Tumores

A Fonte da Juventude do Sistema Imunológico

O tratamento elimina células senescentes dos tecidos no camundongo idoso. A tinta azul mostra (acima) as células senescentes em tecido do fígado (Liver) e pulmão (Lung). A quantidade de tinta se reduz marcadamente após tratamento (embaixo)

 A Fonte da Juventude do Sistema Imunológico

O auxílio ao sistema imunológico para limpar células antigas em camundongos idosos ajudou a restaurar características da juventude

Como seria se pudéssemos manter o nosso corpo jovem, saudável e com energia, inclusive à medida que alcançamos a sabedoria da nossa idade. Uma investigação recente do Instituto Weizmann de Ciência sugere que esse sonho pode ser alcançável no futuro, pelo menos parcialmente. Os resultados dessa investigação, liderada pelo Prof. Valery Krizhanovsky e pelo Dr. Yossi Ovadya no Departamento de Biologia Celular Molecular, foram recentemente publicados na revista científica Nature Communications.

A investigação foi iniciada com uma pesquisa sobre a maneira como o sistema imunológico se encontra envolvido numa atividade essencial: limpar células idosas senescentes que são perigosas quando permanecem no organismo. As células senescentes – que não estão completamente mortas mas já sofreram perda de função ou danos irreparáveis – foram associadas com doenças do envelhecimento, promovendo a inflamação. Os investigadores usaram camundongos que não tinham um gene essencial para essa atividade imunológica. Aos dois anos os organismos desses camundongos (idosos, segundo os seus padrões) tiveram uma maior acumulação de células senescentes quando comparados com os camundongos nos quais o gene de remoção dessas células estava intacto. Os camundongos que não tinham o gene tiveram inflamação crônica, e diversas funções do seu organismo ficaram aparentemente diminuídas. Eles também pareciam mais idosos – e morreram mais cedo – do que os camundongos normais.

De seguida, os investigadores administraram um medicamento aos camundongos que inibe a função de proteínas específicas que ajudam as células idosas a sobreviver no seu estado senescente, para ver se isso poderia contribuir para a remoção dessas células do organismo. Os medicamentos foram administrados aos camundongos nos quais o envelhecimento resultava das perturbações que o grupo tinha descoberto no sistema imunológico, bem como aqueles que sofriam de envelhecimento prematuro derivado de um erro genético diferente. Os camundongos submetidos ao tratamento responderam excecionalmente bem ao medicamento: Os testes sanguíneos e de atividade mostraram melhoria, e os tecidos eram muito mais parecidos com os de camundongos jovens. Os cientistas contaram as células senescentes, encontrando muito menos células nos organismos dos camundongos submetidos ao tratamento; e quando procuraram sinais de inflamação, concluíram que o grau também era significativamente menor. Os camundongos submetidos ao tratamento com o medicamento eram mais ativos, e a sua esperança média de vida aumentou.

A investigação do Prof. Valery Krizhanovsky é apoiada pelo Sagol Institute for Longevity Research; o Ilse Katz Institute for Material Sciences and Magnetic Resonance Research; a Rising Tide Foundation; a Quinquin Foundation; o Sr. e a Sra. Bruce Kanter; e o Conselho Europeu de Investigação.

O Instituto Weizmann de Ciência em Rehovot, Israel, é uma das instituições de investigação multidisciplinar melhores classificadas do mundo. Respeitada pela sua ampla exploração das ciências naturais e exatas, o Instituto é a casa de cientistas, alunos, técnicos de pessoal de apoio. Os esforços de investigação do Instituto incluem a pesquisa de novas maneiras de combater a doença e a fome, examinar as principais perguntas de matemática e ciência da computação, investigar as propriedades físicas da matéria e do universo, criar materiais originais e desenvolver novas estratégias para proteger o ambiente.