Weizmann

O tempo passa rápido! Ou não?

 

O tempo passa rápido! Ou não?

Pesquisadores do Instituto Weizmann de Ciências descobriram que a maneira como experimentamos a passagem do tempo pode ser distorcida por um processo no qual aprendemos a ajustar nossas expectativas.

Eles estudaram em voluntários o descompasso entre o esperado e o recebido (erro de previsão) e comprovaram que um erro de previsão positivo (receber a mais do que esperava) resulta em uma estimativa de tempo maior, enquanto receber menos do que o esperado, produz uma sensação de menos tempo. Com o equipamento de ressonância magnética funcional (fMRI)  descobriram que os dois erros de previsão e a sensação distorcida de tempo, ocorrem na mesma estrutura profunda no cérebro.

 Além do conhecimento básico, há evidências da importância para entender desordens como Parkinson, esquizofrenia e transtorno de déficit de atenção, nos quais as interrupções na capacidade de aprender são acompanhadas por um senso de tempo prejudicado.

Saiba mais: “Prediction errors” in learning occurring near the “time circuits” in our brain alter our sense of time

Os primeiros humanos usaram fogo para produzir ferramentas de pedra

 Os primeiros humanos usaram fogo para produzir ferramentas de pedra

Um novo estudo de ferramentas antigas sugere um entendimento qualificado sobre o aquecimento do sílex para produção de diferentes formas.

Antigos hominídeos podem ter usado temperaturas diferentes para criar diferentes tipos de ferramentas. A descoberta foi feita por pesquisadores do Instituto Weizmann de Ciências que empregaram tecnologias de ponta para estudar uma coleção de ferramentas de pedra de entre 300.000 – 400.000 anos atrás.


“Não podemos saber como ensinaram aos outros a habilidade de fazer ferramentas, que experiência os levou a aquecer a pedra crua em diferentes temperaturas, ou como eles conseguiram controlar o processo, mas o fato de que as lâminas mais longas são consistentemente aquecidas de uma maneira diferente das outras peças, aponta para uma intenção”, diz o pesquisador do Departamento de Arqueologia do Weizmann, o  português Dr. Filipe Natalio.

A pesquisa foi publicada na Nature Human Behaviour.

Saiba mais:  Ancient Hominins Used Fire to Make Stone Tools

Novo método permite ver o interior de dezenas de milhares de células individuais ao mesmo tempo e com mais detalhes

 Novo método permite ver o interior de dezenas de milhares de células individuais ao mesmo tempo e com mais detalhes

Em camundongos, essas “informações privilegiadas” permitiram identificar um subconjunto de células imunes que “colaboram” com o câncer, bloqueá-las e matar o tumor.

Um grupo de pesquisa do Instituto Weizmann de Ciências desenvolveu uma tecnologia que permite ver o interior de dezenas de milhares de células individuais, ao mesmo tempo e em maiores detalhes do que nunca. O grupo, liderado pelo Prof. Ido Amit, do Departamento de Imunologia do Instituto, aplicou esse método para definir as células imunes que se infiltram nos tumores. Assim, identificou um novo subconjunto de células imunes inatas que “colaboram” com o câncer. Em camundongos, bloquear essas células imunes inibidoras permitiu matar o tumor.

A nova técnica, chamada INs-seq (intracellular staining and sequencing– coloração e sequenciamento intracelular em trad. livre) permite aos cientistas medir RNA, proteínas e estudar processos bioquímicos que ocorrem dentro de cada uma das células. Essa riqueza de “informações privilegiadas” pode ajudá-los a desenhar distinções muito mais finas entre diferentes subtipos celulares e atividades do que é possível com os métodos existentes. Os cientistas usaram a tecnologia para abordar uma questão que vinham tentando resolver há décadas: Por que o sistema imunológico não reconhece e mata células cancerígenas, e por que a imunoterapia muitas vezes falha? A resposta poderia estar em ações específicas de subgrupos de células imunes. Os pesquisadores acreditam que a INs-seq pode ajudar os pesquisadores a identificar essas células particulares e desenvolver novas terapias para tratá-las

A  Yeda Research and Development, braço de transferência de tecnologia do Instituto Weizmann de Ciências, já está  trabalhando não apenas no desenvolvimento de um novo anticorpo de imunoterapia para uso clínico mas na transferência da tecnologia INs-seq.

 

Saiba mais: Internal Differences: A New Method for Seeing into Cells

 

 

Mais perto de trazer alívio à dor crônica

 

 Mais perto de trazer alívio à dor crônica

Uma pesquisa multidisciplinar em três continentes gera a possibilidade de uma nova abordagem para tratamentos com remédios já conhecidos para outras finalidades. A pesquisa publicada na revista Science tem como alvo uma molécula que move mensagens de dor para os núcleos de células nervosas.

A dor crônica nem sempre tem uma causa clara e pode durar anos. Um novo estudo liderado por cientistas do Instituto Weizmann de Ciências sugere uma abordagem original para tratar essa aflição, alterando o caminho que leva à ativação de genes nas células nervosas que desempenham um papel em muitas formas de dor crônica. Os achados deste estudo foram publicados na revista Science.

Pesquisadores do Departamento de Ciências Biomoleculares estudaram umas moléculas que controlam o trânsito de informação dentro e fora dos núcleos das células chamadas importinas. Trabalhando com camundongos mutantes criados na Alemanha, descobriram que uma importina em particular, a alfa 3, seria importante para controlar o caminho da dor. Uma pesquisa mais aprofundada levou os cientistas a se interessarem também em outra molécula que é levada ao interior do núcleo dos neurônios pela mencionada importina chamada c-Fos.  Ao se acumular, a c-Fos produz dor crônica nos animais.

Na sequência utilizando vírus como ferramentas, os pesquisadores conseguiram desativar estas proteínas. O resultado foi que os camundongos sentiram menos dor.  Isso sugere que o bloqueio da atividade da importina alfa-3 pode ser um caminho para prevenir dor crônica duradoura.

Para acelerar a aplicação clínica do novo conhecimento, e com a ajuda de uma base de dados dos Estados Unidos, a Connectivity Map (CMap) foram identificadas 30 drogas que podiam interferir neste processo. Quase dois terços dos compostos identificados não eram conhecidos anteriormente por estarem associados ao alívio da dor. A equipe escolheu dois – um medicamento cardiotônico e um antibiótico –  testou-os novamente em camundongos e a injeção com esses compostos forneceu alívio dos sintomas de dor.

Interferir nessas moléculas-alvo poderia causar menos efeitos colaterais e ser menos viciantes do que os tratamentos atuais. Como se trata de medicamentos conhecidos,  a chegada ao mercado após os ensaios clínicos, poderia ser muito mais rápida..

Saiba mais: Targeting a Chronic Pain Gateway Could Bring Relief

 

Memória e sono: aroma de rosas para descobrir atividades cerebrais

 Memória e sono: aroma de rosas para descobrir atividades cerebrais

Pesquisadores do Weizmann realizam um experimento único envolvendo fragrâncias para consolidação da memória durante o sono. O estudo pode ajudar os pesquisadores a entender como o sono auxilia na memória e apontar para novos meios de lidar com vários tipos de traumas cerebrais, tanto emocionais quanto físicos

Odores podem ser uma ferramenta forte para reativar memórias durante o sono, segundo experimentos prévios realizados no Weizmann. No novo estudo, os voluntários cheiraram rosas e aprenderam os locais das palavras que foram apresentadas nos lados esquerdo ou direito de uma tela de computador. Depois se deitaram para tirar cochilos no laboratório, com eletrodos ligados para registrar sua atividade cerebral. Enquanto dormiam, a fragrância foi liberada novamente, mas desta vez, para uma única narina. O que os pesquisadores observaram foi que os dois hemisférios cerebrais apresentavam o tipo de atividade elétrica que está envolvida na consolidação da memória, mas a metade do cérebro que estava “cheirando as rosas” mostrou uma atividade mais sincronizada. Quando os sujeitos acordaram e retomaram o teste, eles tiveram mais sucesso em lembrar os locais das palavras apresentadas ao lado do cérebro estimulado com o cheiro enquanto dormiam.

Odores podem ser uma ferramenta forte para reativar memórias durante o sono

Como cada uma das narinas tem sua própria conexão com o mesmo lado do cérebro, este experimento mostrou que o processo de consolidação da memória durante o sono é, de fato, afetado por odores relacionados à memória. O experimento pode ser uma ferramenta poderosa para entender como as memórias são levadas do “armazenamento de curto prazo” para os bancos de memória mais permanentes, em uma parte diferente do cérebro.

De acordo com o Prof. Rony Paz, o estudo sugere que há um diálogo acontecendo todas as noites entre distintas partes do cérebro e o cheiro pode ser usado para melhorar, ou possivelmente interferir nesse diálogo.

O novo método pode eventualmente ir além do laboratório para fortalecer o processo de criação de memórias e restauração do equilíbrio nos casos de transtorno de estresse pós-traumático e apontar novos caminhos para tratamentos de lesões cerebrais por exemplo, no AVC.

 

Leia mais: One-Sided Memories and Sleep

 

 

Escola de Verão 2020

Enzo Kaneko Ebert

Conheça Enzo, bolsista da Escola de Verão do Weizmann 2020

Enzo Kaneko Ebert, 18 anos, Rio Claro – SP

Estudou durante 12 anos no Colégio Koelle. Atualmente está no primeiro ano de física da Universidade Estadual Paulista de Rio Claro, com planos de ir estudar na Alemanha ou França.

O interesse de Enzo pela ciência começou no ensino fundamental através das olimpíadas científicas, como a OBA e Canguru. “Porém, me apaixonei de fato por ciência, mais especificamente pela física, quando entrei no colegial. Depois de começar a ler vários livros de física pela recomendação de um querido professor, decidi que queria me envolver mais com o que estava lendo. Foi aí que vieram os meus projetos de pesquisa e participação em programas de verão aqui e fora do Brasil. Meu maior interesse no momento é o estudo da matéria condensada.”

Ele imagina os cientistas do Weizmann como “extremamente apaixonados pelo que fazem e com um grande comprometimento com a ciência básica.”

Gabriella Arienne

Conheça Gabriella, bolsista da Escola de Verão do Weizmann 2020

Gabriella Arienne, 19 anos, Mesquita – RJ

Estudou por 7 anos no colégio Miguel Couto e atualmente faz Faculdade de Medicina na UNESA.

“Meu interesse pela ciência foi despertado no colégio, antes mesmo de eu entrar no ensino médio”- garante. Fascinada por biologia, descobriu as feiras de ciências para jovens por meio de professores. “Tive certeza de que lá era o meu lugar.” Mas havia um problema, a escola não tinha laboratório. Gabrielle decidiu, mesmo assim, criar um projeto e testá-lo em casa. A paixão pela ciência continua cada vez mais forte. “ A ciência me levou a lugares que certamente eu não chegaria sozinha e me deu respostas para quase todas as minhas perguntas. Pretendo continuar com a pesquisa científica durante e após a universidade.”

Ela imagina os cientistas do Weizmann como pessoas extremamente curiosas, inteligentes e, sobretudo, “com o brilho nos olhos de quem ama a ciência e decidiu dedicar sua vida a ela.”

Lúcio L. F. Neto

Conheça Lúcio, bolsista da Escola de Verão do Weizmann 2020

Lúcio L. F. Neto, 18 anos, Belo Horizonte – MG

Estudou no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) e agora está fazendo Bacharelado em Química na Universidade de São Paulo (USP)

Lúcio começou a gostar de ciências com 13 anos. “Foi quando comecei a participar de olimpíadas científicas no meu colégio. Depois, nunca mais perdi o interesse, e agora não imagino minha vida fora da ciência”.

João Pedro Torres

Conheça João Pedro, bolsista da Escola de Verão do Weizmann 2020

João Pedro Torres, 18 anos, São Paulo – SP

Estudou no colégio Etapa. Atualmente estuda na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Começou a gostar de ciências por meio de olimpíadas científicas. Ainda no ensino fundamental conheceu as olimpíadas de matemática e física e percebeu que tinha uma forte vontade de se aprofundar nas disciplinas de ciências da natureza. Participou da Olimpíada Brasileira de Biologia (OBB) e ao visitar o Instituto Butantan e conhecer os pesquisadores que organizam a olimpíada foi – segundo ele- que nasceu a paixão pelo estudo das ciências biológicas. Participou também da Olimpíada de Neurociências (Brain Bee), promovida pelo Hospital Israelita Albert Einstein. Durante o segundo ano do ensino médio foi selecionado para representar o Brasil na Olimpíada Ibero-Americana de Biologia e no terceiro ano na Olimpíada Internacional de Biologia.

“Desejei participar do ISSI para ter a oportunidade de aprender com pesquisadores do Instituto Weizmann e fazer amizades com outros participantes apaixonadas por ciência. Pelo prestígio do instituto e pelo que ouvi de alumni, imagino que seus cientistas sejam incríveis, muito dedicados e motivados a ensinar jovens que desejam ser pesquisadores.” – disse dias antes de começar o ISSI 2020 (virtual).